Saulo tinha um segredo e morreu como queima de arquivo

Werner Schünemann em cena da morte de Saulo em Passione

O que Saulo (Werner Schünemann) fazia no motel em que foi assassinado?

“Sexo”, responde Silvio de Abreu, autor de Passione, que entra em sua fase final apostando em uma trama policial que mobiliza telespectadores e não-telespectadores (anteontem, durante show no festival SWU, em Itu, bem na hora da novela das oito, integrantes da banda Cansei de Ser Sexy queriam saber quem tinha sido o assassinado). O capítulo, em pleno feriado, deu 41 pontos na Grande SP.

Abreu, no entanto, não diz com quem Saulo estava no motel, se era com homem ou com mulher – ou com ambos. Ele revela que mais mortes vêm por aí (e não apenas uma). E que o assassinato de Saulo não foi por amor, dinheiro ou vingança. De suas respostas, deduz-se que foi por queima de arquivo, porque Saulo sabia “o suficiente” sobre a morte de seu pai, Eugênio (Mauro Mendonça), para incriminar outros personagens.

Eugênio e Saulo, contudo, não teriam sido mortos pela mesma pessoa, mas por personagens “da mesma trama”.

A seguir, entrevista concedida por Silvio de Abreu, por e-mail, ontem. O blog enviou, posteriormente, outras quatro perguntas, complementares às respostas, mas o autor não respondeu:

O autor Silvio de Abreu

R7 – Vários personagens apareceram em situações suspeitas no capítulo de segunda-feira (Stela, Arthurzinho, Diógenes, Noronha, Fred, Agnello, Melina, Laura e Gerson). Quem, de fato, é suspeito pelo crime?

Silvio de Abreu – Por enquanto, todos. À medida que a narrativa for evoluindo, alguns serão inocentados e outros, incriminados.

R7 – Onde estava Clara na hora do crime?

Abreu – Devia estar trabalhando na cantina. Não é o que ela faz à noite?

R7 – Diógenes teria algum motivo para matar Saulo?

Abreu – Aparentemente, não. Mas nem tudo ainda foi revelado.

R7 – Por que Stela mentiu para Sinval dizendo que ela e Arthurzinho tinham ido fazer as compras do mês?

Abreu – Ela já esclareceu isto no capítulo de ontem [anteontem] mesmo. Disse que estava na porta do prédio de Agnello, à espera dele, que não apereceu por lá. Mas como ninguém a viu, achou que seria melhor ter o Arthurzinho como seu álibi.

R7 – As chances de a assassina ser uma mulher são maiores do que um homem, pelo fato de o crime ter ocorrido em um motel?

Abreu – Não.

R7 – Os autores do assassinato poderiam ser um casal?

Abreu – Poderiam. Não quer dizer que sejam.

R7 – O que Saulo foi fazer em um motel barato?

Abreu – Sexo

R7 – O autor do crime é a mesma pessoa que matou Eugênio?

Abreu – Está na mesma trama.

R7 – Qual a relação do crime com o segredo de Gerson?

Abreu – Por enquanto é cedo para falar disso.

R7 – Gerson poderia ser o assassino, uma vez que Saulo descobriu o seu segredo e ele mentiu sobre a consulta com Flavio Gikovate?

Abreu – Poderia. Não quer dizer que seja.

R7 – Quem serão os primeiros incriminados? Agnello, pelo fato de ter brigado com Saulo horas antes do crime? Ele será preso?

Abreu – As investigações estão apenas começando. Agnello se enrola muito em suas declarações, sem dúvida é um grande suspeito. Por enquanto, ninguém vai preso.

R7 – Qual foi a motivação do crime? Dinheiro? Vingança? Amor?

Abreu – Com relação à morte do Saulo, nenhuma dessas motivações se aplica.

R7 – O que Saulo sabia sobre a morte do pai dele que poderia incriminar outros personagens?

Abreu – O suficiente.

Assim como Gerson, Saulo tinha um segredo

R7 – O Saulo também tinha algum “mistério do computador”, como desconfia Diana?

Abreu – No computador, não.

R7 – Entre os cinco possíveis assassinados, o sr. inclui Diana, a mocinha da novela. Não seria muito “revolucionário” para a estrutura narrativa de uma televonela matar a heroína a três meses do final? O sr. pensou nisso?

Abreu – Até poderia ser, mas eu prefiro fazer uma história coerente e não uma história revolucionária. Não busco efeitos ou marcos, busco fidelidade a uma narrativa.

R7 – Muitos telespectadores acharam a morte do Saulo a mais óbvia. Sua lista quíntupla não foi uma forma de, além de proteger o mistério da imprensa, confundir a audiência?

Abreu – Confundir, não. Preservar a surpresa, sim… Não concordo que a vítima mais óbvia seria o Saulo. Concordo, sim, que a narrativa conduziu a isso porque a morte dele já estava estabelecida e não foi decidida por votação ou especulação.

R7 – Para proteger o sigilo, o sr. escreveu cinco assassinatos e cinco versões diferentes dos seis capítulos sequentes, mas a própria Globo revelou alguns spoilers: a cena, no resumo do capítulo da próxima quinta-feira enviado à imprensa, em que Lorena acusa a mãe e Agnello pela morte do pai; Saulo levando um tiro, no Fantástico, diferentemente do que foi divulgado na imprensa e no site oficial da novela, o que induzia à crença de que havia duas versões para Saulo, portanto ele seria o assassinado; a reação de desespero de Bete Gouveia, em chamadas antes do capítulo de ontem, o que eliminava as mortes de Diana e Fred). Pergunto: valeu a pena todo esse trabalho?

Abreu – Sem dúvida, valeu, tanto que você está me perguntado isso agora. O importante não é esconder, é levantar várias versões, possibilitar um jogo que estimule a imaginação do público e isso foi conseguido plenamente.

R7 – Teremos mais assassinatos até janeiro? Quantos?

Abreu – Teremos, quantos eu não digo.

R7 – Quando descobriremos quem matou Saulo? Só nó último capítulo?

Abreu – A princípio, sim, mas, sinceramente, não sei se posso responder isso com segurança. A novela tem muitas reviravoltas programadas e uma coisa leva a outra, talvez até eu me surpreenda.

R7 -Clara será presa sob suspeita do assassinato de Eugênio?

Abreu – Por enquanto, não. O processo está correndo e não existem provas concretas contra ela, é tudo especulação.

Por: Daniel Castro, R7

“Escrito nas Estrelas”: Viviane aceita pedido de Ricardo

Imagem: Divulgação/Rede Globo

 

– As emoções vão rolar soltas no capítulo desta quarta-feira (23) em “Escrito nas Estrelas”. Como seu pai está no poder de Gilmar (Alexandre Nero), Viviane (Nathalia Dill) fica sem alternativa diante da proposta de Ricardo (Humberto Martins) em se tornar mãe do filho de Daniel.

Obrigada por Gilmar, Viviane vai até a casa de Ricardo e afirma que aceita fazer a inseminação artificial. “Que bom, Vitória. Te agradeço muito, muito mesmo! Desde o dia que o Breno chegou com a notícia que o Daniel tinha deixado o sêmen congelado…desde aquele dia eu penso em ter um neto, filho do filho que eu perdi. Cheguei a pensar que teria que adiar muito o meu sonho. E quando a Mariana não aceitou meu convite, por mais que eu esperasse por isso. Mas agora, agora tudo volta a fazer sentido, minha vida volta a fazer sentido!”, declara o médico, emocionado.

Viviane fica emocionada ao ver a felicidade de Ricardo, mas se entristece pelo fato de mentir para ele. A jovem fica tão preocupada com a situação que pede para receber apenas um salário mínimo para as despesas mais importantes.

Ricardo estranha o pedido de Viviane, mas se compromete a depositar uma grande quantia em dinheiro, por mês, em uma conta poupança.

“Tá. O senhor é mais cabeça dura do que eu. Mas ó, não vai falar para ninguém. Principalmente para o Gilmar, que o senhor vai depositar essa baba de dinheiro todo mês no meu nome!”, alerta a jovem.

O médico estranha mais uma vez a atitude de Viviane, e pergunta o que Gilmar tem a ver com isso tudo.

Fonte: Famosidades

‘O Melhor do Brasil’ – Homenagem a Michael Jackson

 
Rodrigo Faro faz homenagem a Michael Jackson e começa dançando “Beat It” em “O Melhor do Brasil” (21/6/10). A morte do ídolo pop completa um ano nesta semana.
 
 
Rodrigo Faro encerra o programa do próximo sábado (26/6) com “Thriller”, que para ele é o maior clássico do ídolo pop.
Rodrigo Faro dança como o ídolo pop em “O Melhor do Brasil”.
 
 
 
 
 

Relações públicas protestam contra Gianecchini em Passione

Bete (Fernanda Montenegro) diz a Fred (Reynaldo Gianecchini) que  ele não tem qualificação para ser relações-públicas (Foto: Divulgação)

Bete (Fernanda Montenegro) diz a Fred (Reynaldo Gianecchini) que ele não tem qualificação para ser relações-públicas (Foto: Divulgação)

A tentativa do personagem Saulo (Werner Schunemann) de transformar Fred (Reynaldo Gianecchini) em relações-públicas da fictícia Metalúrgica Gouveia, na novela Passione, irritou profissionais e estudantes da área.

Os conselhos Federal e Regional de Profissionais de Relações Públicas telefonaram e escreveram para a Globo. O órgão regional está tentando agendar uma reunião com o autor Silvio de Abreu.

Ambas as instituições estão orientando seus associados a mandarem e-mails de protesto para a Globo: “Ela vive da audiência do seu público e, quanto mais pessoas demonstrarem insatisfação com o desenrolar do tema relações públicas na novela, mais ela buscará uma solução que agrade ao seu público”, afirma o conselho federal em seu site.

Além disso, estudantes da Unesp, em Bauru (interior de São Paulo), estão planejando uma manifestação contra a emissora.

Dois fatos justificam o descontentamento dos relações-públicas: 1º) Fred não tem curso superior necessário para exercer o cargo; 2º) Fred é vilão, o que contribui para a visão estereotipada de que o relações-públicas é um bon-vivant e lobista.

“Estou muito indignado com a forma que Silvio de Abreu tem tratado 0 profissinal de relações públicas. O personagem Fred recebeu o cargo com uma explicação bastante simples: ‘Ele fala bem, é bonito e persuasivo’. Será que, para o autor, essa é a característica de um profissional de relações públicas? Se for, posso abandonar meu curso”, diz o estudante Clovis Moscardini Jr., da Unesp.

Presidente do Conferp (Conselho Federal de Profissionais de Relações Públicas), João Alberto Ianhez diz que os conselhos regionais “receberam muitas reclamações”.

Ianhez assistiu à cena em que Saulo indicou Fred, veiculada na semana passada: “Ele disse que Fred era bom para o cargo porque era bem apessoado. Isso revolta. Reforça a imagem antiga de que o relações-públicas é um cara que só se apresenta e vai a coqueteis. O relações-públicas não aparece. Ele faz aparecer”, afirma.

Outro lado

No e-mail que enviou a Silvio de Abreu, o Conferp sugiriu uma cena em que a metalúrgica receberia uma inspeção do órgão. Mas isso não será necessário.

No capítulo que foi ao ar nesta noite (22/6), Bete Gouveia (Fernanda Montenegro), vetou a indicação de Fred ao cargo de relações públicas.

“Espero que não tenha tomado isso de forma pessoal. Mas nós já estávamos realizando um processo de seleção para esse cargo. Não seria justo com os demais candidatos. Além disso, Fred, sejamos sinceros, você não tem as qualificações para essa função”, disse Bete. Fred terá outro cargo na empresa.

A cena já estava escrita e gravada antes dos protestos dos profissionais de relações públicas.

Silvio de Abreu afirma ainda que é preciso levar em consideração que o personagem de Saulo é tido como um incompetente dentro da empresa. Ou seja, a nomeação de uma pessoa sem qualificação para o cargo de relações públicas partiu de uma pessoa sem credibilidade e apenas interessada em uma composição política.

Por: Daniel Castro

Colunista do Portal R7

%d blogueiros gostam disto: