teledramaturgia tem ocupado um espaço importante na Record

record

Segundo o diretor de conteúdo do Grupo RIC, José Nascimento, a teledramaturgia tem ocupado um espaço importante na programação da Record, e para o grupo RIC é uma oportunidade para ampliar seu know how neste setor e ganhar experiência em produções de alta qualidade artística e de produção.

“Ano passado tivemos uma experiência muito positiva na filmagem de episódios da série Milagres de Jesus, e neste ano a coprodução deste projeto de dramaturgia só comprova o alto nível técnico das nossas equipes e casting de atores”, declara Nascimento.

“É uma história muito divertida e que vai ao ar no mês de dezembro, como um especial de fim de ano”, afirma um dos produtores do projeto, Aguinaldo Di Fiore, da Contém Conteúdo.

A produção será realizada com locações internas e externas, gerando uma oportunidade da população destas cidades, em especial Foz onde serão concentradas 90% das filmagens,a companhar ao vivo uma produção com padrão cinematográfico.

Roteiro – Conceição, Minerva, Zuleica e Carlota se encontram em uma casa de repouso em Curitiba. Indignadas com o sentimento de abandono das famílias e uma certa dose de inconformismo sobre as dúvidas sem relação a sua autossuficiência, elas traçam um plano para fugir e passar um final de semana em Foz do Iguaçu. Unidas em torno deste objetivo, elas irão demonstrar a todos que a melhor idade não tem idade.

A trama desenrola entre a procura desesperada dos familiares em lugares convencionais de frequentadores da terceira idade e as aventuras tresloucadas das corajosas senhoras. Na lsita de aventuras, esportes aquáticos, boates, vôos de helicóptero, entre outras.

“Carrossel” do SBT pode ter um foco diferente

Elenco original da novela Carrossel, que ganha versão nacional produzida pelo SBT

Elenco original da novela Carrossel, que ganha versão nacional produzida pelo SBT

Entre os problemas que tem pela frente, para dar início à pré-produção de “Carrossel”, a teledramaturgia do SBT também pretende tomar decisões importantes quanto ao público alvo da novela.

Entende-se que, nos dias de hoje, em função da concorrência, e também devido ao horário de exibição, provavelmente na faixa das 8 da noite, não se pode pensar em fazer algo apenas para o segmento infantil, como originariamente o tema foi concebido. Haverá a necessidade de dosar ou ousar um pouquinho mais, apesar das limitações impostas pelo roteiro.

Esta é a leitura que faz a direção da emissora, inclusive setores do seu comercial. Daí já se fala que a adaptação de Iris Abravanel será forçada a aumentar o número de personagens adultos e abrir um pouquinho mais as ações, visando justamente atingir outros públicos. Não deixa de ser um desafio interessante. Resta saber como tudo isso vai funcionar na prática.

A informação é da coluna do Flávio Ricco.

Record escolhe novela que substituirá “Rebelde”

Hiran Silveira, o diretor de teledramaturgia da Record  já escolheu a novela que poderá substituir Rebelde, no início de 2012. Ele ainda não revela o nome da novela pois depende de aprovação do vice-presidente artístico e de programação da emissora, Honorilton Gonçalves.

Segundo Silveira, foram analisadas 20 sinopses de novelas da rede mexicana Televisa, parceira na produção.

Maria do Bairro, sucesso dos anos 90 com Ariadna Thalia, era uma das 20 propostas, mas foi descartada logo de início, porque a Record busca um texto recente, inédito no Brasil (a Maria do Bairro original foi ao ar pelo SBT) e que permita integrar diversas áreas da empresa, como licenciamento de produtos, merchandising e web, como Rebelde.

De acordo com Silveira, a decisão final sobre a escolhida para suceder Rebelde deve sair nas próximas semanas. Porém, a decisão sobre sua produção (ou não) irá demorar mais tempo. Isso porque a Record vai aguardar mais dois ou três meses de exibição de Rebelde. Se a novela adolescente (atualmente oscilando entre 9 e 10 pontos) subir no Ibope (principalmente em São Paulo), poderá ter uma segunda temporada, permanecendo no ar durante 2012.

Estas informações são do jornalista Daniel Castro.

Record aposta R$ 80 milhões na novela “Vidas em Jogo”

Vidas em Jogo, novela que a Record estreia na próxima terça-feira, na faixa das 22h, custará à emissora pelo menos R$ 80 milhões.

Segundo Hiran Silveira, diretor de teledramaturgia da rede, cada capítulo está orçado em R$ 400 mil. Serão 200 capítulos _”ou mais”.

A novela entrará no ar com duas cotas de patrocínio já vendidas, para Unilever e Colgate. Cada cota sai por R$ 94 milhões na tabela (sem considerar descontos e comissões de agências).

A expectativa da Record é a de que Vidas em Jogo alcance médias em São Paulo entre 15 e 20 pontos. De acordo com Silveira, não há uma meta de audiência, mas essa seria uma margem “confortável”.

Estas informações são do jornalista Daniel Castro.

“Nenhuma grande rede de televisão poderia viver sem teledramaturgia” afirma dono da Bandeirantes

Foto: Divulgação

O dono da Bandeirantes, Johnny Saad, um dia, a este jornalista, afirmou que nenhuma grande rede de televisão poderia viver sem teledramaturgia. Na verdade, a sua emissora fez várias tentativas. Se saiu bem em algumas oportunidades, em outras nem tanto.  Agora fala-se na retomada deste gênero, mas só para o primeiro semestre do ano que vem.

Estas informações são da coluna do Flávio Ricco com a colaboração de José Carlos Nery

Minissérie ‘A História de Davi’ na Record também terá investimento milionário

Animada com os resultados de “Sansão e Dalila”, que custou cerca de R$ 13 milhões, a Record informa que sua próxima minissérie seguirá a mesma linha de investimentos. Ou seja, “A História de Davi”, ainda sem data para início de gravações, também será tratada como uma superprodução, com custo alto por capítulo e utilização de HD (alta definição) – até por exigência do mercado internacional.
Adaptada por Vivian de Oliveira, a mesma autora de “A História de Ester”, “Davi”, inicialmente, será produzida em 25 capítulos.
O texto não está fechado e a emissora não divulga maiores informações sobre elenco e direção-geral.
Aliás, o diretor João Camargo, recém-saído de “Sansão e Dalila”, não está confirmado na nova minissérie, o que pode indicar a presença de outro profissional. Mas nada definido, por enquanto.

Sobre a possibilidade de Giselle Itié, de “Bela, a Feia”, aparecer nessa ou numa próxima produção do gênero, o diretor de teledramaturgia Hiran Silveira não vê problema algum. “Ela faz parte de nosso casting e está disponível para escalação em todos os produtos”, avisa.
Sabe-se também que devido ao Pan do México, a grade da Record passa por mudanças.
Não será surpresa, por exemplo, se “A História de Davi” for gravada este ano e estrear somente no começo de 2012.

%d blogueiros gostam disto: