“Amor e Revolução” termina hoje, comente sobre a novela:

Filinto (Nico Puig) é morto no penúltimo capítulo de "Amor e revolução"

Filinto (Nico Puig) é morto no penúltimo capítulo de "Amor e revolução"

O SBT exibe hoje, sem direito a reprise, o último capítulo de “Amor e Revolução”. Foram inúmeros depoimentos dramáticos da época da ditadura, sequências violentíssimas em cena, torturas… Teve até o primeiro beijo gay de língua da teledramaturgia brasileira, apesar da média de 4 pontos no Ibope.

As gravações de “Amor e Revolução” acabaram no dia 31 de agosto, mas não deixará saudades entre os executivos do SBT. O fiasco de “Amor e Revolução” é assunto de conversas dentro e fora do SBT e divide opiniões. Há quem acredite que a novela não deu certo porque o autor exagerou na violência com cenas fortes de tortura e que a ditadura é um tema com pouco apelo para o público.

Agora não adianta voltar atrás, a novela acaba hoje e você leitor o que achou da trama? Qual foi o erro e o acerto que o autor fez na novela? Qual vai ser o IBOPE do último capítulo?

Lembrando que a trama vai ao ar hoje ás 22h30.

@aloiziojunior10

Thais Pacholek deixa o SBT

A atriz Thais Pacholek abre mais um novo capítulo na sua carreira profissional. Em entrevista concedida ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan, a loira confirmou sua saída do casting do núcleo de teledramaturgia da emissora de Silvio Santos. O último trabalho da atriz foi em Amor e Revolução quando protagonizou a vilã Miriam Santos. Ela ainda contou que foi chamada para ser a professora Helena, de Carrossel. A imprensa especializada aposta na sua contratação pela TV Globo em 2012.

Essas informações são do Na Telinha

Nova novela do SBT tem estreia interessante

“Amor e Revolução” estreou terça-feira (5) no SBT e, de início, passou a melhor das impressões. Novela, obra aberta e com cento e tantos capítulos pela frente, não pode e nem deve ser analisada pelos seus primeiros capítulos. O bom juízo recomenda o contrário, mas saltou aos olhos de quem viu a qualidade observada em sua realização, comparada a de outras produções da mesma emissora.

Há um trabalho diferente na maioria das cenas, com direção e marcações corretas de atores e câmeras. Luz interessante e capricho na escolha dos atores, embora alguns ainda sem domínio de seus personagens. Mas houve nesta seleção do elenco a sabedoria de se resgatar muita gente boa que, inexplicavelmente, estava fora do ar.

O problema é que o “alto-falante” do SBT não é mais o mesmo. Fosse em outros tempos, ou em outra emissora hoje melhor situada, chegaria e permaneceria na casa dos dois dígitos até com alguma facilidade.

Quanto a este aspecto, e para sentir melhor a reação do público, é preciso esperar um pouco e aguardar o que ainda virá nas próximas duas ou três semanas.

De qualquer maneira, a primeira impressão, repito, foi das mais interessantes.

Matéria escrita pelo colunista Flávio Ricco com colaboração de José Carlos Nery.

Ditadura militar é um tema forte; sofrimento dá audiência

Tiago Santiago vai ressuscitar a ditadura em sua nova telenovela no SBT

 

Luta, tortura, guerra civil e morte são coisas que muitos brasileiros vivenciaram no início da década de 60 até meados da década de 80. Onde pessoas que protestavam contra o governo militar era severamente punido e, na grande maioria das vezes, morto. A sociedade não tinha direito de resposta, a imprensa era censurada e coitados daqueles que fossem oposto ao regime.

É em relação a esse passado de repressão, que Tiago Santiago vai colocar em prática na sua telenovela no SBT, Amor e Revolução.

Regime militar no Brasil

 

O SBT preferiu ressuscitar um passado de muito sofrimento e, como sofrimento dá audiência, não poderia existir tema melhor para uma produção dramática em uma emissora que ainda está tentando voltar ser um grande sucesso em teledramaturgia.

Tentar reconquistar um grande público não é tarefa fácil, uma vez que, Silvio Santos foi o grande responsável pela instabilidade de novelas e pela falta de compromisso com quem as assistiam e, por esse e outros motivos, o SBT não é bem visto quando o assunto é relacionado a obras dramáticas.

Analisando ‘Amor e Revolução’ através das chamadas exibidas pelo SBT, este colunista daria nota oito, pois as cenas são de uma originalidade implacável e chamam a atenção do público, prova disso, é que das vezes que foi exibida, a chamada conseguiu uma audiência que inúmeras atrações do SBT não conseguem. Prender o público é o foco, e por esse objetivo, a emissora está sabendo lutar muito bem.

Coluna escrita por Rodolfo Carvalho.

%d blogueiros gostam disto: