Youtube resgata momentos preciosos da TV

O Youtube continua resgatando momentos raros da história da nossa televisão. Usuários saudosistas estão disponibilizando as poucas cenas que ainda restam das telenovelas dos anos 60, principalmente da Globo. Entre 1965 e 1969, apenas 3 novelas tiveram alguma cena preservada. Todas as outras se perderam, juntamente com novelas inteiras da década de 70, nos incêndios de 1969, 1971 e 1976. “O Sheik de Agadir”, “A Rainha Louca” e “Véu de Noiva” tiveram cenas postadas recentemente.

O maior tesouro, segundo os fãs e estudiosos da história da TV, são os fragmentos da novela protagonizada por Yoná Magalhães, Amilton Fernandes e Henrique Martins, “O Sheik de Agadir”, exibida em 1966 e perdida para sempre nos incêndios que aconteceram. Alguns trechos e uma parte da abertura podem ser vistas no site de videos mais popular do mundo, matando a saudade daqueles que acompanharam a saga do Sheik e sua bela Jeanette Legrand.

Uma boa dica para os garimpeiros de plantão!

Briga por audiência na televisão não é uma notícia da modernidade

Não é de hoje que a guerra pela audiência entre as emissoras de televisão gera notícias e reportagens em outros veículos de comunicação. Desde que a TV no Brasil deixou de ser uma paixão e se transformou em negócio rentável, todas as estratégias foram utilizadas para atrair a atenção do telespectador e garantir elevados números. Em março de 1976, a revista “Veja” destacava o ataque da extinta TV Tupi à Rede Globo. Naquela época, a empresa de Chateaubrind conseguiu melhorar sua audiência no domingo à noite com o humorístico “Os Trapalhões”, recém contratados da TV Record. A reportagem da revista também mostrou a troca de passes de artistas e escritores, algo que acontece atualmente entre Globo e Record. Há 34 anos, os principais atores (ou pelo menos os mais populares) trabalhavam em folhetins de grande sucesso da Tupi e, aos poucos, foram seduzidos pela empresa carioca. Quando o império de Assis Chateaubrind quebrou, muitos arrumaram as malas e trocaram de cidade. O fato é que o tempo passa, mudam os diretores, trocam-se os programas, o cenário empresarial é outro e as estratégias são muito parecidas. Se em 1976, a Tupi atacava o “Fantástico” com “Os Trapalhões”, hoje a Record usa o ‘Domingo Espetacular” como sua arma e a Rede TV! ajuda neste processo com o “Pânico na TV”. Daqui a 34 anos, a “Veja” destacará em suas páginas (de papel ou virtual) que a guerra pela audiência na TV ainda é um assunto popular e que merece uma boa reportagem.

Por: José Armando Vannucci

%d blogueiros gostam disto: