“Trip”, fui o mediador de uma conversa sobre o presente e o futuro da televisão


Em outubro, a convite da revista “Trip”, fui o mediador de uma conversa sobre o presente e o futuro da televisão com a participação de Marcelo Tas, apresentador do “CQC”, da Band, e Rogério Gallo, vice-presidente da Turner no Brasil.

A certa altura da conversa, sem citar nomes, Tas mencionou uma estratégia equivocada que vê na TV aberta: os investimentos realizados em programas de baixo nível, com o único objetivo de elevar a audiência média das emissoras.

Vários programas se encaixam neste padrão. Mas vou me limitar a falar de “Tá na Tela”, que a Band lançou, com toda pompa, em agosto e acaba de anunciar que vai ser cancelado.

Forte candidato a pior programa do ano, o “Tá na Tela” ajuda a entender como funciona o populismo e o sensacionalismo na TV.

luizbacci.jpg

Como já dizia na Record, onde apresentou um programa de muito sucesso defendendo a tese de que Michael Jackson (1958-2009) está vivo, o apresentador Luiz Bacci argumenta que só mostra o que “o povo” quer ver.

No “Tá na Tela”, essa disposição se refletiu em um cardápio tão eclético quanto bizarro, incluindo a exibição de crimes bárbaros, dramas de celebridades, esoterismo, trânsito, tudo sempre apresentado aos gritos, com a mesma gravidade, no esforço de manter o espectador em estado de alerta.

Todo programa precisa de público para sobreviver, mas há uma diferença significativa entre a postura de quem consegue Ibope em consequência do conteúdo exibido e a de quem parece somente preocupado em inventar estratégias para fisgar a audiência.

Sem sutileza alguma, programas como o “Tá na Tela” não conseguem esconder que estão pouco se lixando para o que expõem. O único objetivo é o número do Ibope.

Cito três características da atração comandada por Bacci que deixam isso claro: 1. o recurso ao suspense, como se estivesse tratando de histórias de ficção e não reais;2. a facilidade com que deixa assuntos pela metade ou inconclusos no ar; 3. o desinteresse em dar seguimento, em outros programas, a histórias realmente dramáticas exibidas.

A Band não deixou claro o que está por trás da decisão de cancelar o “Tá na Tela”. Mas espero que o fracasso do programa ensine alguma coisa tanto à emissora quanto ao rei da “bacciaria”.

Em tempo: A sigla “RIP” usada no título deste texto significa “rest in peace”, ou “descanse em paz”.

 

Participe do CTV. Deixe seu comentário! Você pode fazer login usando nome/e-mail, ou usando sua conta do Twitter ou Facebook. Faça bom uso deste recurso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: