‘Amor Eterno Amor’ desanima com ritmo monótono e casais fracos


Cena da novela das 18h da TV Globo: após dois meses no ar, trama não engatou. Foto: TV Globo/Divulgação

Cena da novela das 18h da TV Globo: após dois meses no ar, trama não engatou

Desde sua estreia, no início de março, Amor Eterno Amor tem apresentado um ritmo arrastado, quase monótono. O tema da mãe que procurava o filho desaparecido não é dos mais originais, mas poderia conferir alguma movimentação à trama. Só que depois do reencontro de Rodrigo e Verbena, de Gabriel Braga Nunes e Ana Lúcia Torre, a novela perdeu a sustentação. A morte de Verbena abriu caminho para a disputa entre Rodrigo e Melissa, interpretada por Cássia Kiss Magro, pela herança da família Borges, outro tema que já está batido, assim como a busca do protagonista pelo amor de infância.

Além de uma coleção de lugares-comuns, a novela de Elizabeth Jhin é um grande desperdício de ótimos atores. A começar por Rosane Gofman, que vive, na pele da empregada Valdirene, uma história sem atrativos. Dimas, personagem de Luís Melo, é praticamente uma escada para Melissa. Cássia, aliás, foi encantadora como Dulce em Morde & Assopra, mas ainda não achou o tom certo para a vilã, que caminha pela caricatura.

O entrosamento entre alguns casais também parece ruim. Gabriel Braga Nunes e Andréia Horta, que vive Valéria, era um casal mais crível no início da trama. Já Rodrigo e Miriam, papel de Letícia Persiles, são um pouco “água com açúcar”. Enquanto Andréia diverte no papel da menina desmiolada, Letícia tem uma performance sonolenta como a desenxabida jornalista. Miriam parece sempre apelar para o didatismo, o que a transforma em mais uma mocinha enfadonha.

Com a transferência do eixo principal da trama de Marajó para o Rio, a história ainda perdeu atrativos. O mais óbvio é a falta das lindas paisagens da ilha paraense, um ambiente pouco conhecido e, portanto, mais interessante de ser exibido. A mudança do personagem principal para a cidade grande também tornou despropositada a presença do núcleo marajoara, que aparece menos ainda depois da ida de Valéria, Carmem e Zé da Carmem para a capital fluminense. Os personagens de Vera Mancini e Pedro Paulo Rangel, com interpretações mais que satisfatórias, deveriam ter mais destaque.

Elizabeth Jhin acertou ao apresentar um assunto pouco abordado nas tramas. Interpretada por Klara Castanho, a personagem Clara representa as “crianças índigo”, com dons sensitivos, o que dá um frescor ao tema do espiritismo, marca registrada das novelas da autora. “Amor Eterno Amor” precisa de conflitos mais interessantes para sair da monotonia e perder o clima melancólico que vem se formando desde seu início.

Sobre @Enricke_Oliver
Siga me no twitter @Enricke_Oliver. ( http://twitter.com/#!/enricke_oliver ) Faço parte do site O canal TV! Abraços (!!!)

Participe do CTV. Deixe seu comentário! Você pode fazer login usando nome/e-mail, ou usando sua conta do Twitter ou Facebook. Faça bom uso deste recurso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: