Renato Kramer: “Maratona do Humor” é o ponto alto do “Tudo É Possível”


A apresentadora Ana Hickmann

Dois grupos de comediantes jovens se revezam em dez provas na “Maratona do Humor” do programa “Tudo É Possível” (Record), com a belíssima Ana Hickmann.

No último domingo (13), Thiago Carmona, Rogério Vilela, João Valio, Bruno Berg e o convidado especial João Basílio formaram o “time rosa”. Fernando Strombeck, Richard Godoy, Daniel Murilo, Osvaldo Barros e o convidado Afonso Padilha constituíram o “time preto”.

Num total de dez provas, incluindo a do “Quinto elemento”, que conta com uma participação em “stand-up” do convidado de cada grupo, os jovens humoristas quase viram do avesso de tanto que se divertem e divertem quem os assiste.

Alguns pequenos flashes de algumas provas desse domingo merecem destaque. A primeira prova é a “Soltando o Verbo”. De um início de frase, os comediantes devem completá-la com histórias improvisadas. E a frase era “Eu me lembro”.

Rogério Vilela contou que se lembrava de quando foi atrás do significado do seu nome. “Rogério: famoso pela lança!” –ficou todo orgulhoso. “Vilela: aldeia pequena”. Brochou. Bruno Berg disse que se lembrava de quando o Rubinho (Barrichello) começou a correr e ele, preocupado com o perigo das corridas dizia, na frente da televisão: “Vai devagar, Rubinho, vai devagar, Rubinho!” E parece até que o Rubinho o escutava!

Já do time preto, Fernando contou que se lembrava muito bem daquele “Disk-Man”, que para ele mais parecia nome de delivery de “garoto de programa”. Richard foi mais longe. Contou que se lembrava muito bem da morte do Osama, que a sua mulher até se jogou na frente e tudo. “Pelos exames de DNA, dizem que o corpo encontrado tinha 95% de chances de ser do Osama e 5% de ser do Enéas. Já pensou se a mulher se joga na frente do soldado e grita: Meu nome é Havanir!?”

A cada final de prova, quem vota na melhor equipe é a plateia. A disputa neste domingo foi muito acirrada. Os dois grupos estavam ótimos. Mereceram até grandes elogios de Ana Hickmann: “Eu estou adorando a etapa de hoje!”, confessou a bela loura, que ria o tempo todo.

Em seguida, a prova do “Troca”. Um ator começa a desenvolver um texto, baseado em uma palavra previamente sorteada, até que outro do mesmo grupo diga a palavra “troca”, e o ator tem que mudar imediatamente o termo que estava usando.

Nesta prova em especial, Strombeck se deu muito bem. Instaurado o clima da história de Chapeuzinho Vermelho, o comediante colocou uma máscara de lobo e, ao se deparar com “Chapéu”, comenta: “Que perigo, uma mocinha caminhando no bosque!”. Troca. “Que perigo, uma mocinha caminhando na floresta!”. Troca. “Que perigo, uma mocinha caminhando em Osasco!”.

Ao ser indagado por “Chapeuzinho” quem era ele, respondeu: “Eu sou o Lobo Mau”. Troca. “Eu sou o Lobo Bom”. Troca. “Eu sou a Loba, ui!!!” E nem o politicamente incorreto, por sorte, atrapalha o humor dos meninos. Quando Chapeuzinho lhe pergunta qual o melhor caminho para chegar à casa da vovó, “a loba” sugere: “O da esquerda é o mais curto”. Troca. “O da direita é o mais curto”. Troca. “O do japonês é sempre o mais curto!”.

A plateia de “Tudo é Possível” vibra com os comediantes. Ana Hickmann, por mais de uma vez, é flagrada dando muita risada dos improvisos dos humoristas. E nem a apresentadora escapa das piadas da turma. João Valio comenta que “ela tem um negócio na mão que parece uma TV de plasma”, referindo-se ao enorme anel preto da apresentadora.

Os convidados a participar como “quinto elemento” também se saíram bem. Afonso Padilha, pelo time preto, contou que a sua mãe fala tão errado que parece que ele mora com o Lula! João Basílio, pelo rosa, quer que a mulher dele faça parto normal. “Mas normal dói mais”, alegara ela. “Dói, mas dói à vista! Cesariana vai doer em seis vezes no cartão!”

“Tudo É Possível” –ver a bela Ana Hickmann dando uma boa chance a novos e talentosos humoristas. Aos domingos, na Record.

Com informações da coluna do Renato Kramer, na Folha

3 Responses to Renato Kramer: “Maratona do Humor” é o ponto alto do “Tudo É Possível”

  1. Cibele says:

    Só mesmo com a Maratona do humor para aguentar um pedaço do TEP, porque aguentar a Ana no palco, com aquela voz insuportável e aquele cabeção pra frente, parecendo que vai engolir o microfone, meu amigo, não dá mesmo. Alguns podem achá-la bonita, mas para mim é uma beleza que some, que se esvai, diante da chatice que ela é e diante da falta de carisma dela. Ademais, não dá para agentar a recópia. Copia todo mundo e diz que é copiada. A própria Maratona é um quadro que já foi apresentado pelo Faustão (com outro nome, mas era sobre piadas e humor) há algun tempo atrás e agora ele está retomando. A Escolinha do Gugu (do bebê chorão) nada mais é do que uma cópia do Escolinha do Prof. Raimundo, só que a do Gugu não chega aos pés da do Prof. Raimundo. Ainda quando o Domingo Legal era com o bebê chorão (Gugu), já havia as aventuras de David Brasil com Helen Ganzarolli pelo Brasil afora. Aí o idiota do diretor do TEP (tão insignificante que esqueci seu nome) diz que o DL copiou deles. Eles é copiaram! Sinto muito, mas não dá pra aguentar a recópia! Lixo dos lixos!

  2. Álvaro says:

    AQUI MARATONA DO HUMOR É A COPIA DESCARADA DO 5ª CATEGORIA-MTV, tudo é igual só o nome das provas que muda; num sei como a MTV num processou como plágio ainda!!!
    #recópia

  3. eu acho que a maratona do humor e muito engraçada e divertida!

Participe do CTV. Deixe seu comentário! Você pode fazer login usando nome/e-mail, ou usando sua conta do Twitter ou Facebook. Faça bom uso deste recurso!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: